Crime contra relação de consumo deve ser comprovado com perícia


Em recente decisão tomada no último dia 14 de abril, a 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, ao julgar o Recurso Ordinário em Habeas Corpus 49.752-SC, relatado pelo eminente ministro Jorge Mussi, reafirmou entendimento de que a perícia técnica é essencial à comprovação da materialidade delitiva no crime previsto no artigo 7º, inciso IX da Lei 8.137/90.
O dispositivo retrocitado impõe a pena de detenção de dois a cinco anos, ou multa, àquele que "vender, ter em depósito para vender ou expor à venda ou, de qualquer forma, entregar matéria-prima ou mercadoria, em condições impróprias ao consumo".
Referida decisão determinou o trancamento de ação penal iniciada com base em auto de infração lavrado por autoridades administrativas, as quais atestaram existência de mercadorias expostas à venda sem o devido registro no Serviço de Inspeção Estadual de Santa Catarina; depreendendo-se a administração, desse modo, estarem as mercadorias impróprias para consumo.
No entendimento da Corte Superior, seria necessária a comprovação técnica, por perícia, de que as mercadorias estivessem de fato impróprias ao consumo; além de que, ainda na esteira da decisão, a norma que sustenta a impropriedade para consumo no caso em tela foi emanada pelo estado e não pela União, o que fere a competência privativa desta última para legislar matéria penal.

 
Do voto condutor, destaca-se a seguinte passagem que resume a questão:
"Portanto, em casos como tais, uma persecução criminal condizente com os princípios e objetivos de um Estado Democrático de Direito deve ser acompanhada de comprovação idônea da materialidade delitiva, conforme preceitua o artigo 158 do Código de Processo Penal, não sendo admissível a presunção de impropriedade ao consumo de produtos expostos à venda com base exclusivamente em conteúdo de normas locais, circunstância que revela flagrante ausência de justa causa na hipótese, ..."
Com a manutenção do entendimento firmado pelo Superior Tribunal de Justiça de que a materialidade delitiva do crime previsto no artigo 7º, IX, da Lei 8.317/90 prescinde de laudo pericial, uma vez que se trata de crime que deixa vestígios materiais, acentua-se a necessária segurança jurídica e reafirma-se também a dogmática no sentido de que referido crime, muito embora seja formal e de perigo - pois não se exige ocorrência de resultado naturalístico para sua consumação e existe criminalização prévia de conduta atentatória ao bem jurídico tutelado - é de perigo concreto, ou seja, deve existir uma situação de fato que coloque em risco a coletividade para o aperfeiçoamento do crime em questão, não podendo haver mera presunção de perigo.
Decisões desta estirpe demonstram de forma cristalina o papel atuante do direito penal nas relações de consumo tão somente quando houver a possibilidade de afetação concreta do bem jurídico, impedindo que a intervenção extrema característica do Direito Penal se transforme em instrumento de imposição de cumprimento de meros requisitos formais, que já são suficientemente impingidos pelo Estado no âmbito administrativo.
Ademais, ousa-se dizer que o tormento enfrentado no caso criminal ora exposto, expõe as mazelas do terreno arenoso que se firmam as relações de consumo no Brasil, a desnudar a existência de extenso arsenal normativo que toca esta área por intermédio de todos os entes da Federação, ingressando-se em esferas administrativas e judiciais do Poder Público à exaustão.
Não é pouco usual se verificar que tanto os municípios, quanto os estados e a própria União impõem regras quantitativamente excessivas nos mais diversos aspectos da relação de consumo, a exemplificar: tempo de espera em filas; tempo de espera em atendimento telefônico; disponibilizações de preferências em atendimentos; política de troca; regulamentação de publicidade; regulamentação de rótulos; dentre um mar sem fim de causas que poderíamos tentar enumerar em vão.
Fato é que este cenário, ao invés de conferir segurança jurídica, contribui para que nem consumidores nem fornecedores sejam bons conhecedores de seus deveres e direitos, impulsionando notório litígio nessa área do direito.
Dessa feita, da análise conjunta da decisão exarada pela 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça e da realidade fática das relações de consumo no Brasil, uma conclusão parece despontar: em que pese a existência do arsenal normativo para intervir nas relações de consumo, a utilização da arma mais poderosa do Estado, representada pelo Direito Penal, reclama um mínimo de segurança jurídica tanto na comprovação da materialidade quanto nas edições de normas.
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More